Share on whatsapp
Share on facebook
Share on email
Share on linkedin

Falta matéria-prima para 68% da indústria retomar produção após a pandemia

Em processo de retomada das atividades após o auge da crise econômica do coronavírus, o setor industrial brasileiro enfrenta agora a falta de matéria-prima e o aumento de preço dos produtos necessários para a produção.

De acordo com dados de sondagem especial da CNI (Confederação Nacional da Indústria), 68% das empresas estão com dificuldade para comprar matérias-primas no mercado nacional. Dentre as empresas que utilizam insumos importados regularmente, 56% relataram dificuldade.

Além disso, 82% perceberam alta nos preços, sendo que 31% falam em alta acentuada. A pesquisa contou com a participação de 1.855 empresas, entre 1º e 14 de outubro, em 27 setores das indústrias de transformação e extrativa.

Retomada da economia e alta do dólar

Segundo o presidente da CNI, Robson de Andrade, as empresas optaram por reduzir seus estoques para enfrentar a queda no faturamento e o difícil acesso ao capital de giro nos primeiros meses da crise.

“A economia reagiu em uma velocidade acima da esperada. Assim, tivemos um descompasso entre a oferta e a procura de insumos. E tanto produtores quanto fornecedores estavam com os estoques baixos.”

“Além disso, temos a forte desvalorização do real, que contribuiu para o aumento do preço dos insumos importados”, afirmou o presidente da CNI.

Dificuldade em atender os clientes

A pesquisa aponta que 44% das empresas estão com problemas para atender seus clientes. Os motivos indicados foram:

  • Falta de estoques (47%)
  • Procura maior que a capacidade de produção (41%)
  • Incapacidade de aumentar a produção (38%)
  • Problemas de logística (13%)
  • Inadimplência dos clientes (4%)
  • Outros (2%)

Normalização só em 2021

Do total de empresas que não conseguem aumentar a produção, 76% alegaram que não conseguem ampliá-la pela falta de matéria-prima. E o problema deve durar pelo menos mais três meses.

Mais da metade (55%) das empresas acreditam que a capacidade de atender a procura voltará ao normal apenas em 2021.

Em 10 dos 27 setores considerados, ao menos metade das empresas está com dificuldades para atender os pedidos. O percentual de empresas que encontram dificuldades para atender seus clientes é maior nos setores móveis (70%), têxteis (65%) e produtos de material plástico (62%).

Pequenas empresas são mais afetadas

A falta de matéria-prima para a linha de produção é mais grave entre as empresas de pequeno porte. Nesse segmento, 70% foram afetadas pela falta de insumos, ante 66% nas grandes.

O percentual de empresas menores que afirmam enfrentar muita dificuldade é maior, alcançando 28% entre as pequenas empresas e 27% entre as médias.

Fonte: economia.uol

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email
Share on whatsapp
WhatsApp